Rota das Vinhas de Cister

No sopé das férteis encostas da Serra da Nave, entre os rios Távora e Varosa, surge o vale do Varosa lugar de culto e meditação, escolhido pêlos Monges de Cister para aí construírem alguns dos mais belos exemplares da arte cistercense. Mosteiros como o de S. João de Tarouca, do séc. XII, são hoje testemunhos vivos do espírito dinâmico dos monges que cedo moldaram a região à sua imagem, trabalhando a terra, cultivando a vinha, incutindo normas e tradições que perduram até hoje.

Região nobre de grandes extensões de vinhedos, aqui nascem alguns dos melhores espumantes nacionais, a par dos aromáticos e frutados vinhos de mesa, brancos e tintos.
É esta pródiga união entre à natureza e a história que a Rota das Vinhas de Cister, que se funde com a Região Demarcada Távora – Varosa, tem para oferecer.
Itinerário 1:
“O caminho dos mosteiros”

O percurso começa na histórica cidade de Lamego, cuja fundação se atribui aos Celtas e se orgulha de ter recebido as cortes, que em 1143, reconheceram D. Afonso Henriques como primeiro Rei de Portugal.

Na cidade, recomendamos uma visita à Sé Catedral, ao Museu, subir os 686 degraus da escadaria do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios e do alto apreciar a magnifica vista.
Já na saída, vire em direcção ao Bairro da Ponte partir de onde poderá chegar a Balsemão. Aí aconselhamos a visita à capela Visigótica de São Pedro de Balsemão, com vestígios de construção do séc.VII.

De Lamego, partimos peta A24 em direcção a Armamar, onde merece visita a Igreja Matriz Românica, com torre quadrangular e a vista da Mizarela. No Inverno pode ver-se a queda de água de Temilobos, situada a 3 km da vila, que é verdadeiramente espectacular.

Seguimos por Travanca e Cimbres para o Mosteiro de Sta Maria de Salzedas (Ordem de Cister), cuja actual traça data do séc. XVIII. Repare-se nas pequenas varandas de madeira das casas que circundam o Mosteiro.

Seguindo em frente, na Ucanha, vamos visitar as famosas Caves da Murganheira, produtor de vinhos e espumantes DOC, da Região Demarcada Távora-Varosa,
onde os espumantes repousam em caves escavadas no granito azul. Mostra e venda vinhos e espumantes.
Nesta aldeia sobre o rio Varosa, temos a Ponte fortificada de Ucanha (MN), torre de cobrança de portagens do couto de Salzedas. Única em Portugal, esta Ponte fortificada testemunha a organização senhorial medieva.
Seguimos depois para S. João de Tarouca, onde vamos encontrar o primeiro Mosteiro da Ordem de Cister (MN) construído em Portugal. Arquitectura cisterciense da escola de Borgonha. No interior, entre outras preciosidades,
podemos admirar um dos melhores exemplares da história da pintura portuguesa na representação de S. Pedro.

De regresso a Lamego, em Britiande, à beira da estrada, encontra-se a Quinta de Sta Cruz, produtor-engarrafador dos Vinhos Tintos DOC Quinta dos Urgais da Região Demarcada Távora – Varosa, com mostra, venda de vinhos e de artesanato.

Itinerário 2:
“Entre vinhas e castanheiros”

Os dois itinerários são ligados pela EN 226.
O início do percurso é em Moimenta da Beira, localidade de longa tradição, onde se pode visitar o Mosteiro de Nossa Senhora da Purificação, também conhecido como Igreja das Freiras, e o Solar dos Carvalhais, onde hoje está instalada a Câmara Municipal.

Aqui poderá visitar a Cooperativa Agrícola do Távora, produtor de Vinhos DOC da Região Demarcada Távora-Varosa, com mostra e venda de vinhos.

De Moimenta da Beira vale a pena fazer um desvio até Fonte Arcada, para ver o centro histórico. A Igreja românica, séc. XII, a Fonte com arco ogival, que deu nome à localidade e a Casa da Loba, séc. XIII.
Seguindo para Tabuaço podemos apreciar o pórtico da Igreja de S. Pedro das Águias (MN), fundada no séc. XII, que fica numa ravinosa encosta na vertente do rio Távora, voltada para uma escarpa.

Seguimos para Sul até encontrar a Serra da Lapa, onde podemos subir a um dos mais antigos santuários portugueses. A Capela da Senhora da Lapa foi construída mais tarde, já no séc. XVII pêlos jesuítas. Deslocando-nos um pouco mais para nascente encontramos o Mosteiro de Nossa Senhora da Assunção de Tabosa (Monjas da Ordem de Cister).

Sernancelhe é a próxima paragem do percurso. Os frondosos castanheiros que se vêem da estrada deixam adivinhar a importância da castanha nesta zona. Em Penso encontramos a Maxilazer, Lda., com mostra e venda de vinhos, artesanato e produtos regionais.
Em Sernancelhe, podemos visitar a Igreja Matriz (IIP), que apresenta um extraordinário conjunto de esculturas românicas, e no centro histórico encontra-se o pelourinho do séc. XVI e o Solar Barroco dos Carvalhos. Vale a pena apreciar as esculturas em granito espalhadas pelas ruas e jardins da vila.

O percurso termina com a magnífica vista que se desfruta do alto do Castelo de Penedono (MN), a 930 metros de altitude, dominando ao redor um vastíssimo panorama, apenas limitado, ao longe, pêlos mais elevados relevos das Beiras e Além-Douro e terras castelhanas do antigo reino Leão.